quinta-feira, setembro 19, 2013

Ai que saudade em sinto em mim



Dá-me uma imensa alegria cada vez que entro na FDL. Ao ver os alunos do 1.º ano recuo uns anos no tempo e lembro-me quando eu fui caloira :)
Decidi tirar estas fotos para todos aqueles que partilharam comigo a experiência única do 1.º ano na FDL se recordarem das aulas na sala 10.07. Belos tempos, belos tempos...
Apesar das dificuldades, do passar a Método B, do não ter 7 para ir a oral, do não passar nas orais, ficarão sempre maravilhosas recordações daqueles tempos de estudante.
A todos aqueles que me acompanharam ao longo desta "FDLisseia" um enorme OBRIGADO!

"Que negra sina ver-me assim,
Que sorte vil e degradante,
Ai que saudade eu sinto em mim
Do meu viver de estudante..."

8 comentários:

Anônimo disse...

Querida, nostalgia ainda maior sente quem do outro lado do Atlântico está!!! Obrigada a ti também!! Momentos memoráveis ali vividos!!

Ana

Persona Naturale disse...

Tu marcaste mesmo a minha passagem pela FDL, principalmente no 1.º ano do Mestrado :)

Almoços na Reitoria que saudades!

Bj

Anônimo disse...

Querida, o teu sentido de humor e a tua boa disposição foram, sem dúvida, cruciais para que o ano fosse tcha-nan!!!

Ana

Persona Naturale disse...

Muito obrigada :)

Beijo grande

LADY-BIRD, ANTITABÁGIKA, FÃ DO JOMI LOL E JÁ AGORA DOS NOSSOS AMIGOS ANTI-TECNOLOGIAS: MARCHANTE (se não existissem tinham que ser inventados) disse...

Fui à FDL na quinta depois de uns 6 meses sem lá colocar os pés...e a verdade é que não me senti bem, e não me senti bem, porque não senti a sensação de chegar à minha segunda casa, como senti estes anos todos. 4 anos após ter terminado o curso, entrei ali e senti que não conhecia ninguém a não ser os funcionários...e isso é o mesmo que chegar a casa e a família ter ido toda embora, a casa fica vazia e a sensação de abandono toma conta de nós. E assim me senti, deslocada no meio daquelas 4 paredes. Saudade? Saudade sinto imensa, desde o última dia de aulas da licenciatura.O mestrado permitiu que o afastamento não fosse abrupto, mas mesmo assim, aquele ano de mestrado já não foi a mesma coisa. Mas adorei ver as fotos...esse quadro, não estava lá! ;) beijinhos

Ana Campos disse...

Recordações, são formas que a alma encontra de renunciar o Adeus. Mas mais cedo ou mais tarde é importante olhar para a frente.
A vida é isto.Ir vivendo, saboreando cada dia e ir avançando e criando novas e boas recordações.

beijinhos grandes

Anônimo disse...

È verdade. Tudo na vida passa. Fica a recordação dos momentos bons e os menos bons. Por vezes temos a sensação do vazio e parece que tudo se tornou estranho. É assim com tudo, podem crer. Mas é assim que se constrói as etapas da vida.
Bjinhos
Becas

Persona Naturale disse...

Lady-Bird: eu ainda me sinto bem ao ir lá, e acabo sempre por ver alguém (aluno) do meu tempo.

E ainda tem outro quadro do tempo dos Afonsinhos, são dois ao todo. Agora o quadro principal já não dos antigos que se escrevia com giz, é daqueles brancos modernos e todas as salas têm projector e tela para apresentações em power point! Mas que fio!

Ana: é verdade Ana :) mas custa saber que nunca mais se volta a esse tempo!

Becas: "Ó tempo volta para atrás" :)

Bj